Não é novidade para ninguém que, a cada dia que passa, a saúde do planeta chama mais atenção das pessoas. Considerando esse fato, resta muito claro como as pessoas estão cada vez mais engajadas em causas ambientais e sociais.

Nos últimos anos, percebemos que o mundo foi invadido por uma grande onda do bem, por meio de ativistas e pessoas que decidiram defender pelo que acreditam: um mundo mais justo e sustentável. E, mais, o crescimento desta onda parece ser exponencial.

Seguindo essa tendência, e também devido à influência destas atitudes na decisão de compra das pessoas, as empresas também não ficaram de fora deste novo movimento global.

Assim, todos os tipos de empresas passaram a adotar posturas a favor de causas sociais e ambientais, que afetam positivamente o mundo e a humanidade.

E o resultado disso? Os consumidores mundiais e, principalmente, os brasileiros aprovaram essas atitudes e declararam expressamente preferir empresas sustentáveis.

Consumidores preferem empresas do bem, dizem pesquisas

De acordo com uma pesquisa realizada pela consultora PwC, 95% dos entrevistados disseram que são extremamente inclinados a comprar produtos ou serviços ligados aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Que são: Erradicação da pobreza; Fome zero e Agricultura Sustentável; Saúde e Bem Estar; Educação e Qualidade; Igualdade de Gênero; Água potável e Saneamento; Energia acessível e limpa; Trabalho decente e crescimento econômico; Indústria, inovação e infraestrutura; Redução das desigualdades; Cidades e Comunidades Sustentáveis; Consumo e Produção responsáveis; Ação contra a mudança global do clima; Vida da água; Vida terrestre; Paz, Justiça e Instituições eficazes; Parcerias e meios de implementação.

Para essa pesquisa, foram ouvidos empresários, executivos e o público em geral.

No topo deste ranking está o Brasil, que vem sendo seguido de perto por: Argentina, Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Nigéria, África do Sul, Emirados Árabes Unidos, Rússia, China, Japão, Tailândia, Malásia, Índia e Austrália.

A tendência da preferência por empresas sustentáveis não é novidade.

Ao contrário do que possa parecer, essa reação e preferência dos consumidores por empresas mais sustentáveis não é novidade para o mercado brasileiro.

Desde o ano 2012, diversas pesquisas já afirmavam que essa tendência, hoje tão clara, já era uma realidade à época.
Na “Pesquisa sobre Responsabilidade Social Corporativa” realizada pela consultora Nielsen há cinco anos, 74% dos entrevistados já afirmavam preferir comprar produtos e serviços de empresas sustentáveis. No ranking, o Brasil fica atrás da Colômbia (86%), ao lado da Argentina (74%) e do Peru (75%).

O consumidor brasileiro parece estar mesmo preocupado com a questão sustentável por parte das empresas. Atualmente, outra pesquisa confirmou as tendências identificadas no ano de 2012. Realizada entre maio e junho de 2017 pela plataforma online Opinion Box, a pesquisa identificou que mais de 90% dos entrevistados (2.040 respostas) já foram impactados pela importância de consumir produtos e serviços que venham de empresas sustentáveis.

Portanto, é necessário estar atento à sustentabilidade e à geração de impacto sócio-ambiental.

Como foi possível inferir das pesquisas citadas, o brasileiro está cada vez mais atento e preocupado com as questões sócio-ambientais e, principalmente, com o papel que as empresas devem exercer para transformar a sociedade.

Frequentemente, aparecem dados que mostram que ser uma empresa do bem pode ser um critério de desempate entre concorrências, por exemplo.

Cada vez mais, as pessoas buscam comprar serviços e bens de organizações que compartilham os mesmos valores que eles e que se interessam pelo Marketing Social. Falamos profundamente sobre Marketing Social aqui.

E, mais, na mesma supramencionada pesquisa (realizada pela Opinion Box), 54% dos entrevistados disseram que dão preferência, sempre ou com frequência, a marcas reconhecidas por realizarem ações sociais e ambientais.

Já na pesquisa da Nielsen, o dado é ainda mais claro: 46% das pessoas afirmaram estarem dispostas a pagar mais caro por produtos que venham de empresas sustentáveis e cerca de 70% dos investidores brasileiros optam por confiar o seu dinheiro a empresas que se preocupam com a sustentabilidade.

Portanto, sustentabilidade importa até na hora de conquistar clientes e fazer negócios terem sucesso e lucratividade.

O propósito social continuará a impactar as marcas?

O consumidor, no geral, está mais consciente e atento ao que está acontecendo no mundo.

Desta forma, cada vez mais ele se engaja com as causas que defende, como a sustentabilidade, a diversidade e a igualdade. Assim, uma empresa que compartilha das mesmas causas que ele e contribui com um mundo mais justo, igualitário e sustentável, provavelmente, já sai (léguas) a frente de toda a concorrência.

É bem evidente que, como mostram as pesquisas de mercado, o propósito social não só continuará a impactar as marcas, como também irá influenciá-las cada vez mais. É um caminho sem volta.

O Propósito Social joga a favor de sua marca e, consequentemente, de seus resultados.

Uma empresa que trabalha o Marketing Social e se coloca no mercado como uma empresa sustentável contribui não só para o mundo, mas também, para ela mesma.

Pelas diversas pesquisas já mostradas até aqui, vimos que o comportamento do consumidor é extremamente influenciado pela conduta e pela postura das empresas.

É por isso que ter um propósito social bem desenvolvido também ajuda a melhorar a imagem da sua marca e, claro, a fidelizar clientes. Mas, não se esqueça, é extremamente necessário saber se comunicar de forma clara e abrangente com seus consumidores. Mentira tem perna curta!

Como sua empresa pode contribuir de maneira social e ambiental para um mundo melhor?

Para ser uma empresa do bem, o seu negócio precisa identificar os seus próprios valores e os do seu público-alvo e se envolver em causas que tenham relação com eles.

A mesma pesquisa, realizada pela PwC, apontou que muitas marcas ainda não estão completamente preparadas para colaborar com as metas dos ODS.De acordo com o levantamento, apenas 13% dos empresários e executivos encontraram as ferramentas certas para se tornarem empresas sustentáveis.

Ademais, também foi identificado que quase nenhuma das empresas brasileiras encontraram alguma maneira de construir a sua reputação e seu marketing social em conjunto com seu consumidor. Sabendo que ser uma empresa do bem será uma exigência do mercado e que muitos negócios ainda estão começando a pensar nisso, 3 jovens mineiros, com foco no empreendedorismo social, fundaram a Risü.

Fundada em 2015, a Risü é um shopping online do bem, onde parte do valor de compras online se transforma em doação para uma causa social à escolha do consumidor, sem que ele pague nada a mais por isso. Os consumidores podem escolher doar para dezenas de ONGs, como, por exemplo, ongs de doação e adoção de cachorro, inclusão social, educação, e empoderamento feminino.

E, mais, ainda consegue economizar com códigos de cupom de desconto.

A Risü permite que Lojas online gerem impacto sócio-ambiental, e permite que o façam de maneira conjunta com seu consumidor. Assim, permite que, além de auxiliar a loja a fazer campanhas sociais, proporcione ao seu consumidor uma experiência de compra extremamente diferenciada, gerando uma grande sensação de comunidade e de pertencimento e, também, obviamente, o já dito Marketing Social.

E o mais interessante é que a experiência de compra, a sensação de pertencimento e o Marketing social também vêm acompanhados com um incrível empoderamento do consumidor, em real-time.

Isso porque, o próprio consumidor pode escolher, logo antes de realizar a sua compra, para quais ONGs a doação será realizada.

Quer conhecer melhor a Risü? Clique aqui.

E você? O que tem feito para demonstrar para seus consumidores que você é uma loja que se preocupa com o mundo?

Este é um artigo escrito por Rodrigo Franzot, Fundador da Risü, um shopping online do bem, onde parte do valor de suas compras se transforma em doação para uma Causa Social à sua escolha, sem que você pague nada a mais por isso.